Marraquexe

Conhecida como a "pérola do sul", Marraquexe é ponto de passagem obrigatório para quem visita Marrocos. Nela podemos encontrar a famosa praça Jemaa El-Fna, que começa a ganhar vida ao final da tarde, com o sol a pôr-se, e se enche de luzes e vida durante a noite, com as barracas de comida e os vendedores ambulantes.

Marraquexe

Nesta praça, que faz parte das mais bonitas do mundo, podemos encontrar todo o tipo de negócios, desde a venda do pão - saboroso, enorme e barato - aos churrascos e outros comensais, amestradores de animais como as serpentes e os macacos, e até mesmo senhoras que fazem as lindas tatuagens de hena.

Marraquexe

É o ex-libris da cidade, depois do Souk, e como um fica ao lado do outro e o mercado fecha a horas tardias da noite, resolvemos ir pechinchar algumas lembranças para trazermos de recordação. Aonde vou, trago sempre alguns ímanes e ainda aproveitei para negociar uns porta-moedas para as amigas.
Não tem outro jeito, mesmo para quem não gosta dessa prática, muito comum nas feiras, em Marrocos temos mesmo de argumentar - seja em que linguagem fôr, porque os marroquinos desenrrascam-se em várias - e tentar baixar os preços pelo menos até um terço do valor inicial.
O colorido dos lenços e dos kaftans, misturado com os cheiros de especiarias e das frutas, torna o Souk uma miscelânea de sensações.

Marraquexe

No entanto, apesar de dar uma vontade de levar tudo para casa, não cometa o erro de tirar fotos aos expositores sem a devida autorização!
Eu tive a infeliz ideia de tentar ser esperta, apesar de avisada por um dos guias, e quis tirar algumas muito sorrateiramente, mas esqueci-me que o telemóvel tinha o flash ligado. Resultado: meia dúzia de fotos desfocadas e uns quantos insultos em árabe de um senhor de idade que se apercebeu e vinha atrás de mim.
Safou-me ser ligeira no andar e o meu marido interpor-se e disfarçar! E agora podem pensar: 'não havia necessidade, era só uma foto!' Mas é uma questão cultural, só nos cabe respeitar os costumes e imposições do país que nos acolhe. Concordar ou não, isso já vai da natureza de cada um!

Marraquexe

Não chegamos a provar as iguarias que a praça nos oferece, apesar de o cheiro de churrasco ser apetitoso, porque já tínhamos jantado no hotel. Mas depois de compras feitas e uma volta pela praça, com o grupo de portugueses que conhecemos na tour, fomos beber o sumo nas típicas roulotes, que é feito com a laranja mais doce que já alguma vez provei.


Senti-me um tanto ao quanto incomodada quando nos aproximamos de uma bancada e o dono nos recusou por servir exclusivamente muçulmanos. Mais uma vez, cada um é livre de praticar o seu negócio como bem entende e só nos restou seguir para o vendedor seguinte, o que acabou por ser uma melhoria na experiência ao sermos servidos de diversos sumos para provar por um jovem que estava a aprender com o pai.
Não me entendam mal, não senti nenhum tipo de xenofobia ou preconceito por parte dos marroquinos, bem pelo contrário; são situações pontuais, que podem acontecer em qualquer parte do mundo.

Marraquexe

Marrocos foi a minha primeira viagem ao continente africano e não podia ter sido melhor! Voltava já amanhã, se me deixassem! 🐫🌴🌞

Marraquexe

Até ao próximo post, ainda há muito para contar sobre essa viagem, mas por agora, o  🌍 está à minha espera!