Jardins de Menara

Os jardins não foram - de todo! - a nossa melhor visita em Marraquexe. É realmente um lugar único, que figura nos melhores postais da cidade, mas a falta de sombras e o calor abafado que se fazia sentir, não permitiram muito mais do que uma breve paragem para tirar fotos e algumas explicações.
Marrocos


O nome Menara, que denomina o parque (século XII) e o conjunto de hortas que o circundam, deve-se ao edifício de telhado verde, construído quatrocentos anos depois, no século XVI.
O lago artificial, rodeado  por pomares e oliveiras, serve como sistema de irrigação e a sua água vem das montanhas do Alto Atlas, que proporcionam um fundo panorâmico ao jardim. Bem inteligente, não?!
Marrocos

Ao que parece, era também um bom esconderijo para os soldados, na altura, mas não consigo dar muito mais detalhes, porque o guia falava em espanhol e foi nessa parte que o calor abafado do início da tarde e o cansaço da viagem se fizeram mais sentir, pelo que me perdi a meio da tradução.
Sou partidária de que o saber não ocupa lugar, mas quem quer mesmo pensar em guerras com a actual conjuntura mundial? Eu sou da Paz, vamos focar nisso!
Um dos momentos mais emotivos da viagem foi quando o guia, marroquino nascido e criado, nos agradeceu a confiança que depositamos nos país e seus compatriotas. Até porque a situação não está nada pacífica na Argélia, que faz fronteira com Marrocos.
Doeu-me no coração, essa humildade de agradecer, como quem baixa a cabeça, para aceitar uma culpa que não é sua; esse reconhecimento de que o Mundo definiu uma ideia dos muçulmanos que, pelo menos alí, naquelas cidades, naquele país, não se confirma.
Nós é que temos de agradecer, Rashid, por nos receberes e ensinares, por tratares tão bem dos nossos interesses e, acima de tudo, por teres uma mentalidade aberta e brincares até com os ateus.

Marrocos


O Mundo anda às avessas, é um facto. Mas Marrocos é, sem sombra de dúvida, um país seguro, civilizado e pronto para aceitar as nossas diferenças, sejam elas quais forem. Casos pontuais? Aqui também os há! Ou não se lembram do racismo, do machismo, das divisões distritais?
O medo torna-nos a todos um pouco xenófobos. É uma realidade! Custa reconhecer, mas é o que está a acontecer em todas as partes do planeta.
Desculpem a minha divagação, eu própria me acuso de muitos pecados mortais, mas há sempre uma frase que ecoa na minha cabeça: o que seria do amarelo, se todos gostassem do azul?...
Se quiserem visitar os jardins, a entrada é livre e fica bem perto da Praça Jemaa El-Fna. À saída, ainda têm a oportunidade de dar uma volta de dromedário, o camelo marroquino. Nós não aproveitamos porque estavamos ansiosos para viver essa experiência no deserto.

Marrocos

Mas cuidado com os preços! Como em qualquer negócio que pretendam fazer em Marrocos, há que tentar sempre negociar e, muitas das vezes, chegando ao valor final de pelo menos um terço do valor inicial.
Agora, vou pregar para outra freguesia!
Tenho o 🌍 - e o almoço! - à minha espera!